fbpx
Noticia

Tribunal constitucional aumenta pressão para “impeachment” de Zuma



O PRESIDENTE da África do Sul, Jacob Zuma, ficou ainda mais pressionado a abandonar o cargo antes do termo do mandato em 2019 depois que o Tribunal Constitucional decidiu semana finda que a Assembleia Nacional não o responsabilizou por ter violado gravemente a Constituição, por usar fundos públicos para fins privados.


A decisão do tribunal deu aos líderes do ANC, incluindo aqueles que o apoiaram, mais munições para pedir a sua saída antecipada, se o partido quiser ter qualquer chance de vencer as eleições gerais de 2019.


Numa declaração à imprensa, a vice-secretária-geral do ANC, partido no poder, Jessie Duarte, disse que o assunto seria adicionado à agenda quando o novo comité executivo nacional reunir-se a 10 de Janeiro.


O tribunal ordenou à Assembleia Nacional que estabelecesse regras sobre como destituir um presidente, acrescentando que ela não havia conseguido determinar se a Zuma havia violado as alíneas a) ou b) do artigo 89 (1) da Constituição.


“O tribunal está a dizer que não há nenhum mecanismo para implementar a disposição relativa ao impeachment… Eles devem criar um dispositivo dentro das regras para que isso aconteça”, segundo disse à Reuters, Lawson Naidoo, secretário executivo do Conselho para o Avanço da Constituição sul-africana, uma ONG.


Por seu turno, Daniel Silke, director da Political Futures Consultancy, disse que a bola estava agora do lado do ANC. “A pressão virá de dentro do ANC para criar uma saída digna para o Presidente Zuma… este acórdão acelera ou aumenta a pressão substancial para uma reforma antecipada de Zuma”, disse ele à Reuters.


“Não é mais sobre ele, mas sobre o partido tentar traçar um novo curso sem a divisão que a questão Zuma traz”, disse ele.


Isso coloca mais pressão sobre Zuma para negociar uma saída precoce que lhe pouparia o constrangimento do “impeachment”. Acredita-se que os seus apoiantes tenham abordado o grupo do novo presidente do ANC, Cyril Ramaphosa, para negociar uma partida digna.


Tal passa, segundo entende o “The Sunday Times”, por Nkosazana Dlamini-Zuma ser nomeada vice-presidente do país como moeda de troca para a saída do Presidente.


Um líder do partido simpatizante de Dlamini-Zuma, que está próximos das conversações, disse que “essa discussão (sobre a saída antecipada de Zuma) está lá. Não se trata de saber se vai acontecer ou não. A discussão é como isso vai acontecer”, disse o líder do partido, que falou sob anonimato por não ter autoridade para falar sobre o assunto.


As negociações têm em vista permitir que Zuma saia airosamente da presidência sul-africana sem perder as suas regalias como ex-chefe de Estado, nomeadamente, seu salário, guarda-costas e viaturas protocolares.



Jornal Notícias

Related posts

Scott Tilley, el astrónomo aficionado que encontró un satélite perdido por la NASA cuando buscaba el desaparecido Zuma

admin

El duro artículo de la CNN sobre Sánchez por su comentario acerca de los test de diagnóstico

admin

Al menos siete muertos y 28 heridos en un incendio en un edificio de París

admin

Leave a Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.